A leitura da criança: principal ferramenta social

Profemarcia                                           

                                             *Por Márcia Elisa Soprana Silvestrin

A prática da leitura sempre nos possibilitou maior conhecimento de mundo e capacidade de garantir-nos satisfação e entendimento. Ao nascermos, já constituímos uma visão interpretativa da linguagem, pois buscamos entender os gestos e as imagens nomeados por nossos pais.

Segundo Richard Bamberger (2004, p .31), “a prontidão para a leitura é determinada em grande parte pela atmosfera literária e linguística reinante na casa da criança”. A linha do tempo é flexível, já que a tendência do ser humano é acumular vivências, interpretando-as e relacionando-as aos acontecimentos diários. A leitura de mundo é sistematizada pela família e concretizada pela escola já nos primeiros anos da educação infantil. Além disso, essa leitura se mantém por toda a vida.

Vivemos em uma sociedade letrada, onde não lemos e escrevemos apenas, mas falamos. Dessa forma, as pessoas devem demonstrar seu potencial no desenvolvimento não só da escrita como também da oralidade. É preciso, para que isso ocorra, revigorar a língua escrita, mas isso só será possível através de uma leitura direcionada, uma leitura não apenas de situações evidenciadas, mas uma leitura contextualizada, com adequação vocabular. O professor fará a ponte, o direcionamento, entre o aluno e o mundo vislumbrado e escondido por detrás das palavras. Nossos alunos precisam relacionar os textos que leem às vivências de seu dia a dia, pois, dessa forma, terminarão o desenvolvimento das suas competências básicas.

Magda Soares (1995, p. 48) afirma que “a aproximação do professor-aluno pelas classes populares significa a conquista de instrumentos imprescindíveis não só na elaboração de sua própria cultura, mas também na transformação de suas condições sociais”. O contato com a leitura e a escrita deve ser sempre significativo e prazeroso, pois busca, no mundo mágico da literatura, a ampliação do universo significativo do leitor, instrumentalizando-o para o exercício da cidadania. Como todo ser humano, também a criança tem suas preferências no que tange à modalidade literária. Dentre essas escolhas, evidenciam-se a ficção, a aventura e, principalmente, o conto de fadas.

Os textos que lemos também são diferentes e oferecem diferentes possibilidades para a transmissão da informação escrita. Essas informações podem ser encontradas nas diferentes modalidades literárias, em um relatório, em um conto, pois o conteúdo muda, restringindo a forma com que se organizam as informações e a escrita. A leitura sempre envolve a compreensão do texto escrito, sua forma, seu conteúdo e, principalmente, seu leitor, com suas expectativas e conhecimentos prévios. O leitor deve apropriar-se de habilidades de decodificação, ter objetivos, esclarecer ideias e desenvolver experiências, para evidenciar ou rejeitar inferências que o ajudarão nesse processo.

“Ler sempre foi sinônimo de prazer” desde as mais antigas civilizações. Prova disso é que, na antiga Grécia, os homens livres recebiam esse privilégio e eram respeitados pelo “saber” da sociedade.

Hoje em dia, a leitura se tornou uma ferramenta essencial e indispensável à vida em sociedade e, por isso, vem sendo discutida por vários autores e pesquisadores, levando muitos profissionais da educação a se especializarem cada vez mais na área. Parece inegável a importância da leitura e do saber ler para que os cidadãos se integrem plenamente à vida cotidiana em termos profissionais e, também, ao lazer.

À medida que o sujeito lê uma obra literária, ele vai construindo imagens que se interligam e se modificam, apoiando-se pelas pistas verbais fornecidas pelo escritor e pelos conteúdos de sua consciência, não só intelectuais, mas também emocionais trazidos pela sua experiência de vida. Para Paulo Freire (1987, p.5)

[…] a pessoa pode ler através da vasta barreira que separa o real da imaginação, pois só assim ela terá interação com os diferentes textos, compreendendo o que está escrito, e as palavras escondidas por detrás desta leitura se desvendarão. Essa relação se efetivará com outras leituras anteriormente feitas (leitura de mundo).

O grupo social não é simplesmente um todo homogêneo. Nele, habitam vontades, saberes e posicionamentos diferenciados, mas convergentes, que geram as possibilidades de relações internas e com outros grupos. Através das trocas linguísticas, o indivíduo se certifica de seu conhecimento do mundo e dos outros homens, assim como de si mesmo, ao mesmo tempo em que participa das transformações sociais.

Segundo Pretti (1974, p. 07), “ a língua é o suporte de uma dinâmica social”, ou seja, é o principal código utilizado pelo homem em sua vida.

Tendo isso em vista, pode-se afirmar que a leitura não pode e nem deve ser vista dissociada de um processo que envolve a família, a escola e o professor. À família, cabe o papel de incentivadora da criança, já que estará presente para acompanhar todo o processo evolutivo escolar dela. Na escola, a criança terá seu mundo transformado, pois é na escola que as experiências se concretizarão. O professor, conhecedor de sua importância, direcionará esse processo de compreensão e organização do texto, tendo em vista que o aprender não é um ato final, mas sim um exercício constante de renovação.

O texto, portanto, deve ser aliado de seu leitor, e é na criança que ele frutificará, pois é a criança que possui a sensibilidade de ouvir, compreender, produzir e estabelecer relações que farão a diferença para o resto de sua vida. No processo de desenvolvimento do aluno na escola, é evidente que a leitura estimulada desde muito cedo contribui, de forma muito visível, para a organização de textos coerentes, tanto em relação ao significante quanto em relação ao significado.

* Professora Márcia Elisa Soprana Silvestrin. Licenciada em Língua Portuguesa e Literatura pela UCS; Especialista em Literatura Infanto-Juvenil pela UCS; Especialista em Metodologia do Ensino pelo CESF-Farroupilha. Professora de Língua Portuguesa, Literatura e Sociologia do Colégio Mutirão Farroupilha e Professora das Linguagens, Códigos e suas Tecnologias na Rede Estadual de Ensino de Farroupilha.

Referências:

BAMBERGER, Richard. Como incentivar o hábito da leitura. Ed Ática, 2004.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler:um tema em três artigos.44ª. Ed.São Paulo:Cortez,1982.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros.12ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

 

 

 

 

A importância da tutoria na EJA

20170511_135137

*Por Lisiane Führ

Há tempos a educação está em processo de evolução. Um exemplo claro é a educação na modalidade à distância (EAD), que vem se desenvolvendo cada vez mais e abrangendo diferentes áreas do conhecimento. Mas da mesma maneira como cresce e se torna cada vez mais importante, essa modalidade de ensino ainda gera questionamentos e opiniões diversas sobre. O ensino a distância requer adaptações tanto por parte do aluno quanto do professor. Ao passo que é importante para o estudante que ele desenvolva persistência e automotivação, o tutor precisa se tornar fluente com as novas tecnologias e elaborar eficientes estilos instrucionais a fim de amplificar o interesse e a motivação dos estudantes.

O principal questionamento a respeito seria se os discentes conseguem realmente acompanhar os estudos e aprender acerca deles, pelo fato de ser uma modalidade que exige autonomia e interação por parte dos alunos.

Para suprir e atender aos alunos com dificuldades é necessário o auxílio do TUTOR, que se apresenta como uma peça fundamental na trajetória escolar dos alunos – por isso o papel do tutor EAD é tido como sendo determinante para o processo de consolidação de um modelo ideal de educação. Segundo alguns autores:

Para Costa (2013) a palavra tutor pode ser atrelada aos conceitos de guia, protetor, diretor, fiscalizador, orientador, dentre outras funções, dependendo da perspectiva pedagógica adotada pelo modelo de educação a distância. Para Prado (2012) acredita que o tutor tem papel fundamental na Educação a Distância, pois garante a inter-relação personalizada e contínua do aluno no sistema e viabiliza a articulação necessária entre os elementos do processo e execução dos objetivos propostos.

Neste sentido, o apoio tutorial é o método mais utilizado para efetivar a interação pedagógica, pois realiza a intercomunicação dos elementos (professor-tutor-aluno) que intervêm no sistema da EaD e os reúne em uma função tríplice: orientação, docência e avaliação, agregando valor ao curso e mediando o ensino-aprendizagem dos educandos.

O tutor no Colégio Mutirão Máster possui papel importantíssimo e é compreendido como um dos sujeitos que participa ativamente da prática pedagógica. Suas atividades desenvolvidas a distância e ou presencialmente contribuem para o desenvolvimento dos processos de ensino, e de aprendizagem e para o acompanhamento e avaliação do projeto político pedagógico para a Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Os alunos possuem aula presencial uma vez por semana, com professor em sala de aula, realização de provas e, além disso, contam com apoio do material pedagógico tanto na apostila física quanto no ambiente virtual, onde também realiza os exercícios e atividades complementares.

Nossos alunos contam com o serviço de tutoria, oferecido gratuitamente com o objetivo de facilitar a aprendizagem, melhorando os índices de aprovação e aproveitamento dos alunos, uma vez que o perfil dos nossos discentes é bastante diversificado e o tempo em sala de aula com a presença do professor é reduzido.

Esses números de aprovação são comprovados por pesquisas realizadas anualmente e apresentadas aos mantenedores da instituição.

No ensino semipresencial a tutoria, quando bem conduzida, assume um papel de ligação entre o aluno e a instituição de ensino, entre a tecnologia que está à disposição do aluno e o estímulo ao seu uso, uma vez que 50% da avaliação é realizada à distância através da plataforma virtual Moodle. Assim, o tutor presta atendimento àqueles alunos que apresentam dificuldades de aprendizagem ou necessitem nova explicação de determinados conteúdos vistos em sala de aula, mas não somente isso. Como tutora há mais de cinco anos posso afirmar com toda certeza, que criamos uma relação de amizade e cumplicidade com cada aluno que procura o atendimento.

Conforme Cortelazzo (2008, p. 310): A interação social é o ponto de partida para uma parceria sólida e produtiva, essencial à realização de projetos que impliquem construção conjunta tanto na educação presencial quanto na modalidade à distância.

Finalizando o texto, é possível exemplificar todo o exposto com uma frase de Paulo Freire: “Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção. Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender”.

Referências:

COSTA, Maria Luisa Furlan. Educação a distância no Brasil. Maringá: Eduem, 2013.

CORTELAZZO, Iolanda Bueno de Camargo. Tutoria e autoria: novas funções provocando novos desafios na educação a distância. Revista EccoS, São Paulo, vol. 10, n. 2, p.307-325, jul-dez, 2008.

PRADO, Cláudia et al. Espaço virtual de um grupo de pesquisa: o olhar dos tutores. Rev. esc. enferm., São Paulo: USP, v. 46, n. 1, fev. 2012.

* Professora Lisiane Pereira Führ – Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade de Caxias do Sul (UCS), pós-graduada em Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável pela UNINTER, atua como docente de Biologia e Química no Colégio Mutirão Máster. Além de docente, é tutora EaD na mesma instituição.

Se nada der certo…

foto1

*Por Ana Cristina Pütten (abraçada na nossa querida Tia Inês)

Este ano é muito especial para a história cristã. Em 31 de outubro, comemoram-se os 500 anos da Reforma Luterana ou Reforma Protestante. Na Alemanha de 1517, Martin Lutero causou uma revolução social e política que se disseminou em vários países pelo mundo. Ao se deparar com a venda das indulgências, começou a contestar a igreja Católica, afirmando seu distanciamento e hipocrisia em relação aos ensinamentos de Cristo. A história é responsável pelo respeito que dedico a essa instituição protestante e sou simpatizante da mesma, apesar de não ser batizada em sua doutrina. Assim, conhecendo um pouco dessa religião, garanto a vocês que Lutero deve estar se remexendo no caixão depois do recreio temático da escola Instituto Evangélico de Novo Hamburgo (IENH): “Se nada der certo”!

Confesso que estou incomodada, desconfortável com o evento, porque ética é a garantia de credibilidade nos valores de uma escola. Para uma instituição de ensino ser decente, exige-se convivência social, empenho pedagógico, amorosidade, empatia, companheirismo e, acima de tudo, o valor do respeito. Respeito é uma palavra com origem no latim: respectus, particípio passado de respicere, “olhar outra vez”, de re-, “de novo”, mais specere, “olhar”. Veja que linda é essa ideia de algo que merece um segundo olhar e, consequentemente, uma ação de consideração e reverência. Mas o que ocorreu no dia 17 de maio foi justamente o contrário. O elitismo, a cultura dos privilegiados sobre as profissões dignas, mas que não carregam diplomas, demonstra preconceito, deboche e, acima de tudo, a inferiorização de algumas categorias de trabalhadores, tais como faxineiras, domésticas, garis, atendentes do Mc Donalds, entre outros.

No Mutirão, temos uma profissional de sucesso que é referência para a maioria dos colegas que integram o Instituto Cultural e Desportivo Mutirão Ltda. A colaboradora Agnes Legramanti, apesar de possuir um nome bonito de descendência francesa, fala e escreve muito bem o italiano. Possui 82 anos, sendo que 45 deles estão sendo dedicados à nossa escola. Suas habilidades e competências na função para a qual é contratada são de causar inveja. Ela possui a excelência que toda empresa deseja. Ela é comprometida, responsável e, além de tudo isso, conta com uma pontualidade inglesa, sendo uma funcionária impecável. Ela é conhecida carinhosamente como Tia Inês. Seu cargo? Auxiliar de Higienização.

Tia Inês é uma pessoa incrível. Apesar de pequena em tamanho (1 metro e meio, não tenho certeza), ela é gigante em comprometimento e eficiência. Por causa dela, semanalmente, temos dois dias sagrados na minha opinião. A quinta-feira é santa: ela faz um lanchinho especial para a nossa equipe. Pão novinho e fresco, com chimia de uva que ela mesma cozinha e mel. Também temos a sexta-feira santa: as bomboniéres de cada setor ficam cheias de balinhas e guloseimas para adoçar os nossos dias. Se alguém está doente, lá vem ela, com chazinhos e xaropes milagrosos. Dificuldades na vida privada? Basta deixar o nome completo em um pedacinho de papel. Ela levará para as “Carmelitas” rezarem por você. E quando ela aparece na minha sala de aula com chimarrão? Meus alunos deliram de felicidade, principalmente nestes últimos dias frios e úmidos. A Tia Inês nos aquece com sua amorosidade. Ela nos alimenta. Não enche apenas o nosso estômago, mas nossa alma com vida. Ela cuida, protege, tem uma empatia enorme pelos seus semelhantes, é solidária e fraterna. Ela é uma das profissionais mais dignas, honestas e éticas que conheço. O meu dia sempre fica melhor com seu abraço diário. Esqueci de comentar: aos 82 anos, ela ainda é educadora. Sim, é professora de catequese!

Resumidamente contei um pouquinho do “case de sucesso” da Senhora Legramanti. Sabe por quê? Não importa a sua profissão, desde que você possa desempenhá-la com dignidade, prazer e honradez. Conheço professores diplomados como mestres e doutores, mas que não possuem a capacidade afetiva, didática e corajosa com seus alunos. Médicos que possuem aversão de seus pacientes e que reclamam de cumprir a carga horária de trabalho contratual. Basta olhar os grevistas em Caxias do Sul e o abandono das UBS de nossa cidade. Engenheiros que não conseguem ir além do seu mundo de esquadros e cálculos. Enfim, os profissionais existem não para servir a si mesmos, mas para servir ao coletivo, à sociedade. E se você não tem esse entendimento, porque acha que sua classe social é mais importante do que as outras, ou que o vestibular é a porta de entrada para o seu sucesso, meu amigo, cuidado! Certamente você já está fadado ao fracasso.

Reflito e analiso muito a postura do IENH. Em nota, a escola pediu desculpas pelo “mal-entendido”. Como assim? Já dizia nosso querido Paulo Freire: “todo projeto pedagógico é um ato político”. Não existe a possibilidade de uma neutralidade neste caso. Está muito clara a intenção dessa atividade. Finalizo com o pensamento de Leandro Karnal em suas redes sociais: “Queria tranquilizar a tanta gente que se preocupa se os professores de humanas transformaram os alunos em militantes de esquerda. Observem as fotos na internet e durmam tranquilos. Nenhuma mudança social deriva de um projeto escolar que, depois de doze anos de ensino médio e fundamental, consegue ter essa ideia ruim. E se tudo der errado no Brasil? Teremos o Brasil como ele é…”

Se nada der certo?

Bem… por aqui continuarei a inspirar-me na Tia Inês. Ela sabe como deixar a vida melhor para aqueles que a cercam!

Profª Ana Cristina Pütten – Licenciada em História pela Universidade Luterana do Brasil – ULBRA; Especialista em Gestão Educacional pela Universidade Federal de Santa Maria – UFSM; Especialista em Mídias na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG; Especialista em Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Cursista na Especialização em Educação: Espaços e Possibilidades para a Formação Continuada pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense. Coordenadora Pedagógica do Colégio Mutirão Máster e Professora das Ciências Humanas e suas tecnologias na mesma unidade escolar

 

 

Os Diferentes Saberes

12122916_319523988218192_5739079288583162937_n

Por Janaína Benetti

A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é uma modalidade de ensino destinada a jovens e adultos que não tiveram acesso ou que, por algum motivo, não puderam concluir o ensino na idade apropriada. Não são poucas as vezes em que eu, ao entrar pela primeira vez em uma nova turma de EJA, escuto as seguintes falas:

“ Eu odeio Matemática”.

“ Não adianta tentar, professora, eu nunca consegui aprender Matemática”.

“ Dá uma forcinha professora, eu nunca vou aprender isso”.

Muito me entristece relatar que esses comentários, ou pequenas variações deles, são bastante recorrentes.

Então, nessa hora, acho válido mencionar a citação de um grande filósofo, o Mário Sérgio Cortella. Ele costuma dizer que:

“ O impossível não é um fato: é uma opinião”.

Muitos dos alunos da EJA chegam até nós com alguns “traumas” por causa de tentativas anteriores. Eles se sentem frustrados por acharem que jamais serão capazes de dominar a Matemática. Diante disso, a primeira coisa que peço a eles é que me prometam que não terão mais esse pensamento, pois só dessa forma estarão abertos para aprender. Reitero sempre que sim, eu ACREDITO na capacidade deles! Acredito, sim, que eles sejam mais do que capazes de aprender.

Se persistirmos sempre no pensamento de que não somos capazes, já estamos tachados a falhar; porém, quando temos um pensamento positivo, já aumentamos nossas chances de sairmo-nos bem no que quer que seja.

Então, começa a aula: operações com números inteiros, equações, PA, PG, Matemática Financeira, geometria, entre outros conteúdos. Aos poucos, percebo que a confiança desses alunos em si mesmos começa a aumentar. Sorrisos são esboçados a cada acerto, comentários surgem ao se depararem com suas vivências diárias ou com a aplicação daquele conteúdo no seu local de trabalho. Claro que, muitas vezes, preciso encorajá-los, mostrar-lhes que são capazes. Para que isso aconteça, deixo um pouco meu lado de professora (ou talvez me torne ainda mais professora do que já sou) para ser aquela pessoa em que eles possam confiar e que não vá julgá-los apenas pelos acertos e erros. Mais do que ensinar números, quero passar a eles a confiança de que são capazes de aprender.

Por vezes, precisamos escutar o quão difícil foi a trajetória escolar dos nossos alunos de EJA, ou quantas vezes aqueles alunos tiveram que escutar de outras pessoas que eles não seriam capazes, pior: que não eram capazes! Outros tiveram que abandonar os estudos muito cedo e, depois de anos, por necessidade ou apenas por gosto, voltaram a uma sala de aula. São tantas histórias…

Então que fique claro: o primeiro e mais importante passo foi dado, que é a iniciativa e a coragem de voltar a uma sala de aula. A Matemática, por sua vez, será apenas mais uma ciência de que esses alunos aprenderão a gostar e a se encantar, quando perceberem que, com certeza, são capazes de aprendê-la.

Já aos educadores que se comprometem com a Educação de Jovens e Adultos, é preciso dizer que devem possuir consciência da necessidade de buscar mecanismos, métodos e teorias que estimulem o público-alvo a não abandonar a sala de aula, ou seja, o professor deve ser o estimulador, o mediador entre o conhecimento e os seus alunos.

Eu fico por demais feliz quando os alunos que estão concluindo essa etapa de seus estudos agradecem-me e contam-me que seguirão estudando numa graduação ou em algum curso técnico. O quão satisfatório é perceber que esses jovens e adultos pegaram o gosto por estudar e que, agora, acreditam em si mesmos e em seus potenciais!

Para terminar, gostaria de deixar registrado mais um pensamento, agora de Paulo Freire, célebre educador brasileiro: “ Não há saber mais ou saber menos: há saberes diferentes. ”

 Professora Janaina Benetti – Licenciada em Matemática na Universidade de Caxias do Sul – UCS. Docente da Educação de Jovens e Adultos no Colégio Mutirão Máster nas disciplinas de Matemática e Física.