Um só planeta, um futuro comum: é o desafio do século XXI

20161103_140008

*Por Lisiane Pereira Führ

Hoje, não se tem mais dúvidas de que existe uma mudança em curso ocorrendo a nível global. Nossas pegadas, nossos rastros no planeta deixaram marcas profundas na natureza e no meio ambiente resultando numa alteração climática de amplas consequências, bem como no empobrecimento generalizado de tudo que se refere ao patrimônio natural mundial.

A maior parte dos seres humanos esqueceu que também fazem parte da natureza, e seguimos trilhando nossa marca para o progresso sem olhar para os lados. Sem olhar para o futuro.

É incontestável que a responsabilidade dos países ricos é maior e histórica. E também não é menos verdade que o desenvolvimento precisa se expressar de uma nova forma. Mas qual é o preço que devemos pagar por esse desenvolvimento, por esse progresso?

Chaminés e veículos, símbolos do século XX, agora mostram o terrível outro lado da moeda: o aquecimento global. A emissão de gases provenientes do nosso progresso alterou a química do céu, destruindo a camada de ozônio em algumas regiões do planeta e piorando o aquecimento global.

Como algumas sociedades encontram-se engajadas em programas ambientais para minimizar as consequências desses avanços sociais, as empresas estão se vendo obrigadas a cada vez mais melhorarem seus produtos sem que haja prejuízo ambiental.

Mas, é possível, que uma empresa que usa química intoxicante proclame-se sustentável, como é o caso dos fabricantes de cigarros? Isso acontece porque não nos inteiramos de como são feitos alguns produtos que usamos em nosso cotidiano. Somos vítimas vivas e passivas de um processo de intoxicação em larga escala.

Pode um governo que aposta todas as suas fichas na exploração de combustível fóssil professar a sustentabilidade? Os gases do efeito estufa, provenientes da queima de combustíveis fósseis, são os principais causadores do efeito estufa e dos desequilíbrios no clima. Infelizmente muitas vezes deixamos as questões ambientais de lado para saciar nosso consumismo:

         “O carro continua sendo, depois da mulher ou depois do homem, a paixão do ser humano. Quem já tem, quer trocar todo ano; quem não tem, quer ter o primeiro. Às vezes, o cidadão pensa em ter o primeiro carro antes de ter a primeira mulher”.

(SILVA, Luís Inácio Lula da. Brasília, 15 de julho de 2009)

Sustentável não é sinônimo de ser verde em detrimento da variável econômica. Ser sustentável é ser capaz de gerar equilíbrio econômico, ambiental e social, permitindo a continuidade do negócio em longo prazo e não é somente em grandes ações e em grandes empreendimentos que podemos promover a sustentabilidade de forma efetiva, desde as fábricas de fundo de quintal até as multinacionais têm condições de tornarem-se sustentáveis sem prejudicar sua produção.

Um dos ramos empresariais que menos investe nisso é o da indústria farmacêutica e da beleza. E isso pode ser provado se observarmos a maneira como seus produtos são testados antes de serem lançados para venda. Por exemplo:

  • Teste de irritação dos olhos: mede a ação nociva dos ingredientes químicos encontrados em produtos de limpeza e em cosméticos. Os produtos são aplicados diretamente nos olhos dos animais conscientes (mais utilizados: coelhos por serem mais baratos, fáceis de manusear e terem os olhos grandes). Para evitar automutilação, os coelhos são imobilizados, mas não são anestesiados. Embora 72 horas sejam suficientes para a obtenção do resultado, a prova pode durar até 18 dias. As reações observadas incluem processos inflamatórios das pálpebras e íris, úlceras, hemorragias ou mesmo cegueira.
  • Teste de Draize de irritação Dermal: observar reações como sinais de enrijecimento cutâneo, úlceras, edemas. Animal imobilizado enquanto substâncias são aplicadas em peles raspadas e feridas.
  • Teste LD 50 (Lethal Dose 50%): mede toxicidade. O animal ingere a substância a ser testada por meio de uma sonda no estômago e pode levar à morte do animal por perfuração no órgão. Efeitos observados: dores angustiantes, convulsões, diarreia, dispneia, emagrecimento, sangramento nos olhos e boca, lesões pulmonares, renais e hepáticas, coma e morte.

Durante nosso dia a dia, muitas vezes não nos damos ao trabalho de pesquisar sobre os produtos que consumimos, seja pela correria do nosso cotidiano, pela falta de informação ou até mesmo de vontade, estímulo para isso.

Mas, que preço estamos dispostos a pagar por isso? O preço do produto vale os riscos que ele traz para esta e para as próximas gerações? Dramas climáticos atingem a todos. Chuva ácida cai sobre todas as cabeças. Contaminação dos alimentos afeta todas as saúdes. Nada mais democrático que os problemas ambientais. Recaem sobre os ricos, pobres, crianças e idosos, negros, brancos e amarelos. Judeus, protestantes, católicos, budistas, muçulmanos, homens e mulheres. Sobre todos os seres vivos.

*Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade de Caxias do Sul (UCS), pós graduada em Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável pela UNINTER, atua como docente de Biologia e Química no Mutirão Máster. Além de docente, é tutora EaD na mesma instituição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *